quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

O Cantinho das Modalidades

Andebol

O FC Porto venceu o Sporting, em jogo da 10.ª jornada do Andebol 1, por 24 x 23.

Num jogo entre dois candidatos ao Título, foi no remate final que o inesgotável Gilberto Duarte deu a vitória aos Hexacampeões, permitindo assim aos Portistas cimentarem ainda mais a liderança no Andebol 1, somando agora 30 pontos (com dez vitórias em dez jogos), mais cinco do que o actual segundo classificado, precisamente o Sporting.

Seguiu-se um jogo de emoções fortes no Dragão Caixa: o FC Porto venceu o Ademar León, por 29 x 24, após uma segunda parte verdadeiramente demolidora, em partida da primeira mão da terceira eliminatória da Taça EHF.

Motivados pelo apoio do público e liderados por um intratável Gilberto Duarte (dez golos), os Portistas alcançaram uma preciosa vantagem de cinco golos frente ao quarto classificado da Liga Espanhola.

A eliminatória decide-se no próximo Sábado, 17H, no Palácio Municipal de Deportes de León, em Espanha.

Basquetebol

O Dragon Force recebeu e bateu o Guifões (98 x 39), no Dragão Caixa, em jogo referente à quinta jornada da Proliga, que os Azuis e Brancos lideram somando por triunfos os encontros disputados. Só em 2014/15, esta foi a terceira ocasião em que os Portistas derrotaram os Matosinhenses, depois do Torneio Quadrangular de Guifões e do Troféu António Pratas.

O Dragon Force, liderado por Moncho López, alinhou e pontuou da seguinte forma: João Ribeiro (6), André Bessa (13), João Grosso, Miguel Queiroz (15), João Gallina (8), Ferrán Ventura (5), Pedro Bastos (14), João Fernandes (11), João Torrie (8), António Monteiro (6), João Neves (6) e Luís Caetano (6).

Hóquei em Patins

Uma reviravolta fantástica na segunda parte, numa grande noite de Jorge Silva (autor de cinco golos), permitiu ao FC Porto Fidelidade vencer por 9 x 7 no pavilhão do Vendrell, em encontro da terceira jornada da Liga Europeia. Com este resultado, os Dragões mantêm-se na frente do grupo D, com nove pontos, resultantes de três vitórias em três encontros. O apuramento para os quartos-de-final está assim muito próximo.

quarta-feira, 26 de Novembro de 2014

3 golos, 3 pontos

O FC Porto segue irredutível na fase de grupos da Liga dos Campeões. 13 pontos e uma liderança conservada numa tarde (noite na Bielorrússia) de segurança, sem grandes obstáculos mas muito gelada. Herrera, Jackson e Tello fizeram os golos.
 
Na teoria, o BATE é daqueles adversários que 'não faz mal a uma mosca'. Certo. Tecnicamente primários, a verdade é que entraram decididos a tentar aproveitar a oportunidade de jogar na Champions contra uma das mais fortes equipas neste tipo de palco. Entusiasmados e motivados, até entraram bem e tomaram conta das despesas da partida, impondo o ritmo.
 
Frente aos Bielorrussos, o treinador Basco não fez grandes poupanças e colocou em campo um 11 forte. Iván Marcano fez dupla no centro da defesa com Martins Indi, Óliver apareceu no meio-campo, enquanto que Ricardo Quaresma e Brahimi apoiaram Jackson Martínez.
 
O FC Porto entrou mal mas nunca se mostrou desnorteado diante de um BATE que passava por dificuldades quando a bola ia para os pés de Danilo ou Ricardo Quaresma. O final de tarde – noite na Bielorrúsia - nem indiciava tremores constantes por aí além para os Portistas, uma vez que o apuramento está garantindo há muito, e, por isso, o FC Porto permitiu que o jogo se fosse arrastando.
 
O fogo do Dragão estava aparentemente congelado. O FC Porto entrou sem aquecer e ficou à espera. Os jogadores só aceleravam com bola. Falta de agressividade no meio-campo e escassez de movimentações ofensivas permitiam que o BATE fosse crescendo.
 
Em Borisov, os termómetros assinalavam temperaturas na ordem dos seis graus negativos (de acordo com a UEFA), e cedo se percebeu que era preciso correr muito. Mas faltavam sempre ideias aos Dragões na zona avançada do terreno. Só nos últimos minutos do primeiro tempo é que se foi vendo alguma coisa por parte do conjunto Português que foi ameaçando as redes de Sergey Chernik.
 
O apito final do árbitro Ovidiu Haţegan para o intervalo foi das melhores coisas que se viu no primeiro tempo na Borisov Arena que mais parecia uma 'arca congeladora'. Era preciso fazer muito mais no segundo tempo, se alguma das equipas quisesse vencer, sendo verdade que não era de esperar muito mais dos Bielorrussos além do que se tinha visto nos primeiros 45 minutos.
 
No segundo tempo o FC Porto entrou melhor (tendo por comparação o que tinha acontecido na primeira parte) mas continuava sem criar muito perigo. A equipa Azul e Branca 'fabricava' jogo pelas laterais e o BATE, a tentar ser compacto na defesa, ia fazendo pela vida pela zona central. No entanto, Héctor Herrera, aos 56', marcou um golaço. Casemiro 'roubou' a bola, meteu para a direita onde o Mexicano rematou para o fundo das redes dos Bielorrussos. 0 x 1 para os Portistas.
 
O golo de Herrera (que colocou o FC Porto de Lopetegui com o melhor ataque de sempre na fase de grupos da Liga dos Campeões. O recorde era de 12 golos em seis jogos na temporada 1996/1997 e agora os Portistas já têm 15 golos) permitiu ao Dragão ficar confortável em campo. Por isso, o segundo tento não demorou muito. Herrera combinou com Brahimi e o Mexicano serviu Jackson Martínez que rematou cruzado para o fundo das redes de Sergey Chernik.
 
Até final o jogo arrastou-se com o FC Porto a marcar ainda mais um golo, aos 89 minutos. Assistência de Herrera para as costas da defesa e o Espanhol Cristian Tello a fazer o terceiro depois de se desfazer de um adversário. O FC Porto continua no primeiro lugar e ficou à espera para ver o que faria o Shakhtar Donetsk com o Athletic Bilbao. Se os Ucranianos não vencessem, o FC Porto garantia já a primeira posição.
 
Retirado de zerozero
 
Melhor em Campo: Herrera

terça-feira, 25 de Novembro de 2014

Confirmar o óbvio

Depois de duas semanas, mais coisa menos coisa, em que o Futebol clube do Porto esteve basicamente parado no que ao futebol de primeira diz respeito, eis que o Dragão volta à competição e logo numa prova que lhe pode render muitos milhões em caso de vitória.
 
Não é preciso ser-se um grande conhecedor do Mundo da bola para se afirmar com certeza absoluta que mais logo uma vitória Azul e Branca na Bielorrússia é sinónimo de muito dinheiro. Mas mesmo muito dinheiro! E que jeito dá este vil metal que tanta falta faz aos cofres Portistas numa momento em que Portugal se encontra mergulhado numa assombrosa crise da qual parece nunca mais ter fim.
 
Mas há aqui algo de muito pertinente que ainda não foi aqui devidamente exposto. O Futebol Clube do Porto não vai jogar sozinho. Do outro lado da barricada vai estar o dono da casa emprestada BATE Borisov, crónico Campeão Bielorusso. 
 
E que dizer do BATE? Primeiro que tudo que tem levado mais vezes do que bate. Numa forma mais séria, os Campeões da gélida e distante Borisov quase só tem conhecido o amargo sabor da derrota nesta edição da Liga dos Campeões. Neste momento, a duas jornadas do final da fase de grupos da Champions, o BATE tem dois golos marcados e dezanove (sim: 19!) sofridos e só não é o último do Grupo H porque teve a proeza de já ter derrotado o Athletic Bilbao.
 
Deduzo que por esta altura já se esteja apensar que o jogo é fácil. Bem até que o poderá ser desde que a equipa de Lopetegui o demonstre em campo. E tal demonstração não será, quase de certeza, fácil. Isto porque há a questão do frio, o estado do relvado que nesta altura do ano não costuma estar em grandes condições naquele orgulhoso País do Leste e, mais importante que tudo, a condição física e mental dos Jogadores do FC Porto depois da paragem para as Selecções e folga forçada da Taça de Portugal.
 
Se Julen Lopetegui souber lidar com todos estes factores é certo que o FC Porto sairá de Minsk com uma goleada idêntica às que as outras equipas do Grupo têm alcançado ante o BATE. Já se o basco tiver dificuldade em lidar com todas estas questões, então a vitória por uma bola a zero será o cenário mais provável e não estará isenta de fortes e pesadas críticas porque o resultado de mais logo pode ser decisivo na atribuição do primeiro lugar do grupo.
 
Pelo exposto espera-se que o Basco apresente o melhor onze Portista. Um que tenha Quintero no meio campo, Tello ou Quaresma numa das faixas do ataque e Casemiro na posição 8. Poucas mexidas e nada de inventar é a fórmula de um sucesso que todo o Portista deseja para o jogo de hoje.
 
Olhando para a Lista de Convocados do Treinador Azule Branco, as inclusões de Tello e Ricardo Nunes são as novidades na dita lista elaborada por Julen Lopetegui para o jogo frente ao BATE Borisov, na Bielorrússia, que se disputa às 17H (em Portugal Continental), referente à quinta jornada do já aqui falado Grupo H da UEFA Champions League.
 
Lista de 20 convocados: Fabiano, Andrés Fernández e Ricardo Nunes (g.r.); Danilo, Martins Indi, Maicon, Marcano, Casemiro, Quaresma, Brahimi, Jackson Martínez, Quintero, Tello, Evandro, Herrera, Adrián López, Alex Sandro, Óliver Torres, Rúben Neves e Aboubakar.
 
Onze provável (4x3x3): Fabiano, Danilo, Maicon, Martins Indi, Alex Sandro, Rúben Neves, Casemiro, Quintero, Tello, Brahimi e Jackson.
 
Vamos tentar disponibilizar alguns streams para que possam seguir esta partida em directo. Passem pelo Blog perto da hora do jogo.

segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

Pensamento da Semana: E as Modalidades?

Vou ser directo e passar de imediato para a questão que aborda este Pensamento. Os Portistas sentirão pelas modalidades o mesmo carinho que sentem pelo futebol?
 
Na minha opinião, que vale o que vale, não.
 
Acho que a execpção, durante muitos anos, foi o Hóquei em Patins mas também esta modalidade Azul e Branca, com tantas Glórias e Conquistas no seu Historial, já conheceu melhores dias em termos de aficionados.
 
O facto é que o adepto Portista não sente pelo Andebol/Basquetebol/Hóquei em Patins/Natação o mesmo carinho que sente pelo futebol.
 
Raras são as execpções onde as Modalidades são analisadas e seguidas ao pormenor. Isto salvo se o SL Benfica visitar o “Dragãzinho”. Aí a casa enche para o bem e para o mal e todos adoram a modalidade do confronto que opõe Dragões a Águias. Apesar de tudo tem sido notória a aposta da Secção de Andebol, por exemplo, para trazer para a Invicta os melhores jogadores por forma a vencer cada vez mais e melhor, mas será que este esforço compensa tendo em consideração o n.º de adeptos/associados que atrai?

domingo, 23 de Novembro de 2014

Estamos a vacilar? Ou será que é a equipa que vacila por nós?

O dragão não assobia arbitros, não pressiona arbitros, mas fa-lo aos nossos jogadores e ao nosso treinador.... Mais o dragão ouve uns fdp duns sportingusitas a insultarem o nosso presidente e o dragão não se manifesta, mas claro que todos os problemas que temos são do casmurro lopetegui....

Retirei este excerto de um comentário deixado na caixa de comentários do artigo por mim aqui publicado com o título O irritante Lopetegui (I).

Não vou entrar no campo do “temos de apoiar o Treinador” dê por onde der. Ou o temos de apoiar a equipa nem que chovam sapos. Este tipo de filosofia foi aplicado ao extremo na época anterior com os resultados que todos vimos. Dito de outra forma; Paulo Fonseca era “o nosso” Treinador até ter perdido com o SL Benfica. A partir daí passou a ser a besta que deveria ser excomungada do Reino do Dragão à pedrada e a equipa “apertada” pela famosa “espera do autocarro”.

Assim como também não acho que valha a pena dar importância e tempo de antena aos que vão para o Estádio fazer a triste figura de insultar e assobiar os Jogadores, Técnicos e Árbitros. Esta atitude irrita a equipa e, pior que tudo, irrita o adepto que vai ao Dragão para ver futebol.

A parte que realmente me toca prende-se com os insultos de um Deus Menor. Falo com toda a certeza da triste personagem que preside actualmente ao Sporting Clube de Portugal e de uma grande franja dos adeptos Leoninos. Vejamos de que tipo de gente se está a falar: 

"Temos que pensar no que realmente é importante para o futebol português. Na gíria popular, porque sabemos que o futebol português está bipolarizado, isto funciona como o ânus onde temos duas nádegas que se enfrentam uma à outra dizendo 'estou aqui e sou melhor do que tu'. Entre algo fisiológico como o ânus, ou sai vento mal cheiroso ou trampa. E é disto que o futebol português está cheio por dentro e por fora: trampa".

Sinceramente vamos responder a este tipo de discurso? Vamos perder tempo com um indivíduo que move Processos Disciplinares aos seus Jogadores quando estes dizem publicamente algo que não seja do agrado do tipo? Vamos “dar troco” a um gajo que comprou uma guerra santa com os Fundos rasgando simplesmente os contratos de quem lhe emprestou dinheiro para poder ter uma equipa profissional de futebol?

Merecerá a nossa atenção e da parte de todos os elementos do Futebol Clube do Porto um Clube que está em 8.º lugar na nossa Liga e que faz uma festa tremenda quando derrota o FC Porto? Acham mesmo que vale a pena perder tempo precioso com estas coisas?

Ou será que deveria ser a nossa equipa a dar a devida resposta em campo e não o consegue fazer porque é liderada por um casmurro? Ou melhor; estamos a vacilar? Ou será que é a equipa que vacila por nós?