terça-feira, 1 de setembro de 2015

O Cantinho das Modalidades

Andebol 
 
O FC Porto bateu o Valladolid (24 x 21), no Pavilhão Municipal de O Rosal, na Galiza, em Espanha, garantindo assim a conquista do Trofeo Concello de O Rosal. Os Azuis e Brancos, que já haviam vencido o Cangas (26 x 19) na véspera, conquistaram assim a terceira competição da pré-temporada, depois do Torneio Internacional de Gaia e do Torneio Internacional de Estarreja.
 
Três atletas do FC Porto, Heptacampeão nacional de andebol masculino, serão esta noite distinguidos na Gala que anualmente elege aqueles que mais se destacaram na modalidade.​ Gilberto Duarte arrecadou o prémio de Melhor Jogador, Alfredo Quintana o de Melhor Guarda-redes e Miguel Martins foi considerado o Atleta Revelação da época 2014/15. Os três jogadores Portistas que figuravam na lista final de nomeados - que resultou de uma votação online levada a cabo pela Federação Portuguesa de Andebol - permitiram, assim, que o FC Porto seja o Clube mais representado nos prémios que distinguem os melhores de cada época.
 
O FC Porto perdeu a Supertaça relativa à época 2014/15, frente ao ABC, vencedor da Taça de Portugal, por 24 x 26. No Pavilhão Municipal de Castelo Branco, a defesa agressiva dos Bracarenses acabou por ser o factor determinante de um desafio com muitas falhas técnicas de parte a parte e que foi discutido até ao último segundo, após uma recuperação final dos Dragões. O derradeiro golo, da autoria de Pedro Seabra, terminou com a discussão.
 
Hóquei em Patins
 
A pré-época da equipa principal de Hóquei em Patins começou há 11 dias e os quatro últimos foram passados na Vila de Mira, em Coimbra, onde se realizou um estágio que serviu para os jogadores continuarem a adaptar-se aos novos métodos e ideias do treinador Guillem Cabestany. No final, a comitiva foi recebida na Câmara Municipal pelo autarca Raul Almeida, adepto confesso dos Dragões.

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Pensamento da Semana: O Portista, o Portista de 2.ª e o Portista da Porta 7


No passado Sábado marquei presença no Estádio do Dragão para seguir o FC Porto x GD Estoril Praia. Eu e um amigo meu chegamos ao Estádio às 18h15. Apercebi-me de que algo não estava bem nas entradas do Estádio mas não dei grande importância porque como as férias estão a terminar é natural que muito pessoal aproveite os últimos “cartuchos” para ver o FC Porto ao vivo e a cores no Dragão.

Quando chegamos à nossa habitual entrada (Porta 7) eis que nos deparamos com um cenário assustador pois a fila de entrada estendia-se pela longa escadaria que dá acesso ao metro… Pela dita Porta 7 só passavam meia dúzia de Associados/Adeptos, daí a tal enorme fila. Como a coisa estava a complicar-se e não tínhamos vontade nenhuma de “levar com algum tolinho em cima”, eis ficamos à espera a ver no que ia aquilo dar. Entretanto o jogo começou, Brahimi marcou o golo inaugural da partida e só neste momento o staff do Futebol Clube do Porto esboçou um pequeno esforço no sentido de fazer entrar em segurança roda a enorme multidão que por lá se encontrava.

Quando a coisa acalmou eis que resolvemos avançar para os torniquetes. Quando lá cheguei não dei por anomalia alguma. Demoramos 20 minutos de jogo a entrar no Estádio. Só no Domingo, após consulta no site oficial do Futebol Clube do Porto, é que percebei o que se tinha passado.

Ora perante tal justificação da parte dos Responsáveis Portistas eis que pergunto: Como é que os Portistas da Porta 7 tiveram de esperar 20 ou mais minutos para entrar no Estádio e a Claque Super Dragões estava já toda ela instalada no seu (cada vez maior) lugar de sempre?

Acho que a foto que vemos em baixo responde à minha pergunta, mas cada um que retire agora as suas ilações…

domingo, 30 de agosto de 2015

Dragão vence mas não convence

Depois do empate na ilha da Madeira, os Dragões regressaram a casa e voltaram aos triunfos no seu Porto seguro. A formação de Lopetegui venceu o Estoril por 2 x 0. Aboubakar e Maicon marcaram para os Azuis e Brancos.
Com Brahimi a «10» e Martins Indi do lado esquerdo da defesa, o FC Porto entrou forte e decidido a resolver cedo a partida diante de um Estoril estendido a toda a largura do relvado.
Os Azuis e Brancos circulavam bem a bola e tinham muito critério no passe. Brahimi deu inteligência no centro e a equipa ganhou com isso.
A pender quase sempre para o corredor direito, com Maxi muito subido no apoio a um apagado Varela, foi por esse flanco que nasceu o golo de Aboubakar, aos sete minutos. El Mono abriu em Brahimi, o Argelino ultrapassou um adversário, entrou na área e centrou rasteiro para Aboubakar que só teve de encostar para o fundo das redes.
Com o golo apontado, o FC Porto baixou a intensidade do meio-campo e o Estoril equilibrou-se. Lopetegui não gostou, a plateia do Dragão muito menos. Imbula e Danilo ficavam muito atrás e não apoiavam Brahimi. André André foi, por isso, a jogo.
Bem organizados e rápidos no contra-ataque (com Gerson muito activo), a verdade é que a entrada de André André não fez o FC Porto crescer muito em intensidade mas permitiu estancar as saída de bola dos Canarinhos.
No retomar da história do jogo, o Estoril entrou com dinâmica diante de um FC Porto que, a controlar as saídas de bola da formação de Fabiano Freitas, chegou tranquilamente ao segundo golo. Aos 62 minutos, na cobrança de um livre frontal, Maicon disparou forte e colocado para as redes de Pawel Kieszek.
O Estoril sentiu muito o golo sofrido e, apesar de manter os processos, raramente voltou a incomodar Iker Casillas. Até final, destaque apenas para a lesão de Anderson Luís (Estoril Praia) que saiu em maca depois de um choque com Hector Herrera.
O FC Porto voltou às vitórias, soma agora sete pontos, enquanto que o Estoril continua a sua caminhada, com três pontos. 

Retirado de zerozero 

Melhor em Campo: Yacine Brahimi

sábado, 29 de agosto de 2015

Reentrar nos carris

Após o pequeno descarrilamento na Madeira eis que o Dragão tem agora a obrigação de voltar a vencer. O cenário é o ideal dado que os Azuis e Brancos jogam em casa e estes já mostraram publicamente, e por mais do que uma vez, que querem mostrar ao seu público que o que aconteceu ante o CS Marítimo foi um pequeno deslize.
 
Contudo a tarefa não é fácil. Do outro lado do campo vai estar uma equipa que bateu fortemente o pé ao SL Benfica em plena Luz até ter cedido à “pressão” e acabou por ser goleada. O mesmo é dizer que o Futebol Clube do Porto não pode, nem deve, entrar mais logo em campo convencido de que já está tudo ganho e que o golo da vitória surgirá com naturalidade. Vai ser preciso um Dragão de fato-macaco para levar de vencida este “novo” Estoril.
 
O Grupo Desportivo Estoril Praia, já há muito na posse de Investidores Brasileiros, é orientado por um Brasileiro de nome Fabiano Soares que tem por missão recolocar a equipa da Linha “no comboio uefeiro”. O mesmo é dizer que este Estoril luta pelos lugares de acesso à Europa, mas esta temporada fá-lo com um Plantel algo modesto que não apresenta grandes nomes. Os nomes mais sonantes do Canarinhos são Pawel Kieszek, Yohan Tavares, Babanco, Bruno Cèsar e Léo Bonatini. È, sem sombra de dúvida, uma equipa que vale mais pelo colectivo e que luta sempre muito em campo e que irá mesmo muito que fazer aio FC Porto se este se lembrar de andar a passear a bola de um lado para o outro durante a primeira parte da partida.
 
Olhando agora somente para os Portistas temos que José Ángel foi convocado por Julen Lopetegui para esta partida com o Estoril, a contar para a terceira jornada da Liga NOS. Em relação aos eleitos para a deslocação ao terreno do Marítimo, na semana passada, saem da lista o guarda-redes Raúl Gudiño e o defesa Aly Cissokho.
 
Lista de 18 convocados: Helton e Casillas (guarda-redes); Maxi Pereira, Martins Indi, Maicon, Marcano, Rúben Neves, Varela, Brahimi, Aboubakar, Dani Osvaldo, Tello, José Ángel, Herrera, André André, Danilo, Alberto Bueno e Imbula.
 
Onze provável (4x3x3): Casillas, Maxi, Maicon, Marcano, Martins Indi, Danilo Pereira, Imbula, André André, Brahimi, Tello e Aboubakar
 
O FC Porto x GD Estoril Praia poderá ser acompanhado em directo na SPORTTV 1.

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Grupo G

O sorteio da UEFA Champions League colocou no caminho do FC Porto três campeões dos respectivos países: os ingleses do Chelsea, os ucranianos do Dinamo Kiev e os israelitas do Maccabi Tel-Aviv. São estes os adversários dos Dragões, um dos recordistas de presenças na prova, no Grupo G, segundo o sorteio realizado esta quinta-feira no Mónaco, que ditou ainda que a equipa de Julen Lopetegui começa a participação na competição em Kiev, a 16 de Setembro, e terminam em Londres, a 9 de Dezembro.
 
Seis anos depois, o reencontro com o Chelsea, actual campeão inglês, treinado por José Mourinho, técnico que levou o FC Porto à conquista da Champions em 2004. O último duelo com o actual 10.º classificado da Premier League, remonta, assim, a 2009/10, época em que as duas equipas se cruzaram no Grupo D da Liga dos Campeões, tendo os blues de Londres vencido os dois jogos, ambos por 1-0.
 
O Dínamo Kiev, clube onde jogam os portugueses Antunes e Miguel Veloso e que é treinado por Serghei Rebrov, é outro velho conhecido dos azuis e brancos. O actual líder da Liga Ucraniana, que já leva cinco jornadas disputadas, já mediu forças com o FC Porto por seis vezes na mais importante prova de clubes europeus, sendo o histórico claramente favorável aos azuis e brancos: cinco vitórias e apenas uma derrota.
 
Por sua vez, o Maccabi Tel-Aviv, tricampeão israelita, é um adversário que os portistas nunca encontraram nos palcos europeus. A equipa é treinada pelo sérvio Slavisa Jokanovic e participou pela primeira e única vez na fase de grupos em 2004/05, tendo sido o segundo clube do país a disputar a competição.
 
Calendário do FC Porto no Grupo G da Champions League 
 
1.ª jornada (16 de Setembro): Dínamo Kiev-FC Porto 
2.ª jornada (29 de Setembro): FC Porto-Chelsea
3.ª jornada (20 de Outubro): FC Porto-Maccabi Tel-Aviv
4.ª jornada (4 de Novembro): Maccabi Tel-Aviv-FC Porto
5.º jornada (24 de Novembro): FC Porto-Dínamo Kiev
6.ª jornada (9 de Dezembro): Chelsea-FC Porto
 
 
Não quero alongar-me muito no comentário ao sorteio da Liga dos Campeões porque sorteio é sorteio e há que jogar com todos. Mantenho é a minha tese de que não existem jogos fáceis, As equipas é que facilitam/dificultam as suas partidas pelo que a prioridade dos Azuis e Brancos é a de não complicar os seus jogos de Champions (seja quem for o adversário).
 
Ao contrário de muito boa gente eu não afirmo que existe obrigação alguma dos Dragões de passarem á fase seguinte da prova: Assim como também não quero de forma alguma afirmar que as equipas de Julen e Mourinho passam com facilidade este Grupo G. Pelo contrário! Digo antes que o apuramento Portista terá de ser construído com muito esforço jogo a jogo porque estes jogos da Champions são uma história completamente diferente dos jogos das Ligas “caseiras”.
 
Vamos a ver o que vai isto dar se bem que me pareça que a chave do apuramento está no não perder pontos na Ucrânia e Israel. E já agora será de bom-tom que os Dragões não deixem a decisão do seu apuramento para o último jogo pois José Mourinho é um bom rapaz e até deu muito ao Futebol Clube do Porto, mas este não faz favores a ninguém (para além de que os ares de Inglaterra fazem mal ao Dragão).

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Do 10 que já lá mora

Não me vou alongar muito nesta temática do 10 porque sou da opinião de que o actual problema do Futebol Clube do Porto de Julen Lopetegui não reside aí mas sim na lentidão de processos do meio campo Azul e Branco (Herrera). Para mais o tal de número 10 que muito voa gente exige já está no Dragão… Julen é que parece não ter ainda dado com ele.

Ora vejamos; Yacine Brahimi não é, nem nunca foi, um extremo. Salvo erro da minha parte o Argelino deu conta disto numa entrevista a um qualquer Desportivo. Para além de que facilmente se constata tal quando vemos um jogo do FC Porto onde Brahimi tem sempre uma inequívoca e clara tendência para entrar em diagonal na área quando era esperado que este fosse á linha e cruzasse ou seguisse com a bola em velocidade como faz Tello por exemplo. Lopetegui pode ter alguma influência na questão das diagonais de Brahimi, mas, repito, o Atleta já disse pu8blicamente que não é um extremo.

Então que é Brahimi em campo? Simples. É um 10! Na época passada bimos Brahimi nesta posição na vitória Portista no Bessa, mas a prestação do Argelino nesta partida deixou algo a desejar e o basco que treina os Dragões optou por não voltar a tentar este tipo de jogo. Mas diga-se a nem da verdade que na altura Brahimi tinha como colegas de equipa no meio campo Herrera e Casemiro, facto que o obrigava a ter de vir buscar jogo à defesa Portista e é sabido que este não é uma das g4randes virtudes de Brahimi (e de um 10 diga-se de passagem).

Ora se Brahimi é um 10, então que se aposte nele na posição 10 em vez de se ir “queimando” o moço “em lume brando” jogo após jogo obrigando-o a jogar numa das alas em diagonal para o meio. Aliás sou da opinião de que a mais do que provável contratação do extremo Mexicano Corona tem em vista um real aproveitamento das enormes qualidades futebolísticas de Brahimi.

Agora se me disserem que suplente para Brahimi o 10 é um real problema eu "já sou como o outro" e dou razão a quem faz tal afirmação. Isto porque Sérgio Oliveira e Bueno podem fazer a posição, mas não são um 10 puro como Brahimi (nem nunca o serão por muito que trabalhem).