sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

O Cantinho das Modalidades

Andebol
 
O FC Porto venceu o Passos Manuel (33 x 23), no Pavilhão da Escola Quinta de Marrocos, em Lisboa, em jogo a contar para a jornada inaugural do Campeonato Nacional do Andebol 1.
 
O conjunto comandado por Ljubomir Obradovic alinhou e marcou com: Hugo Laurentino (g.r.), Daymaro Salina (6), Gilberto Duarte (5), Nuno Roque (4), João Ferraz (6), Mick Schubert (3) e Ricardo Moreira. Jogaram ainda: Alfredo Quintana (g.r.), Yoel Morales, Alexis Hernandez (1), Wesley Freitas (2), Edgar Landim (1), Hugo Santos (4), Miguel Martins (1) e Nuno Gonçalves.
 
Na jornada seguinte o FC Porto recebeu o Belenenses em casa emprestada - o Pavilhão Municipal Dr. Manuel Santos, em Grijó devido ao facto do Dragão Caixa acolher a Taça do Mundo de Bilhar às três tabelas - e venceu, sem apelo nem agravo por 33 x 21. Com este resultado, os Dragões somam duas vitórias em dois jogos e mantêm-se assim na liderança do Andebol 1, com seis pontos, para já a par do Sporting.
 
Ainda no Andebol, destaque para ​Alfredo Quintana, guarda-redes do FC Porto, que foi convocado pela primeira vez para representar a selecção de Portugal, no duplo compromisso de carácter particular frente à Tunísia, tendo em vista a preparação para a fase de qualificação para o play-off do Campeonato da Europa de 2016. Os jogos frente à congénere tunisina disputam-se em Oliveira do Hospital (Sexta-feira, às 20h30) e em Tábua (sábado, às 17H).
 
Hóquei em Patins
 
​O FC Porto Fidelidade venceu por 8 x 5 no pavilhão do Infante de Sagres, que apresentava a equipa 2014/15 aos sócios. Naquele que foi o primeiro encontro particular da temporada - frente a uma equipa que inicia já a 20 de Setembro a sua participação no Campeonato Nacional da Segunda Divisão (zona Norte) -, Barreiros, Caio e Vítor Hugo bisaram, tendo os restantes golos Azuis e Brancos deste derby sido apontados por Reinaldo Ventura e Jorge Silva.
 
No jogo de preparação seguinte os Dragões alcançaram nova vitória. Desta feita por 16 x 0 no Pavilhão Ernesto Silva, casa da CP Sobreira (da Terceira divisão - zona Norte), que apresentava a equipa 2014/15 aos sócios. Barreiros, Caio, Jorge Silva e Vítor Hugo apontaram hat-tricks, tendo os restantes golos sido marcados por Hélder Nunes (dois), Reinaldo Ventura e Rafa.
 
Os Dragões têm agendados mais dois encontros de preparação até ao arranque dos jogos oficiais, com a recepção ao Candelária (4 de Outubro, 15H). A equipa comandada por Tó Neves desloca-se aos rinques de CD Póvoa (20 de Setembro, 18H) e Turquel (27 de Setembro).
 
Bilhar
Imagem fornecida por José Lima
 
O Holandês Dick Jaspers (número cinco do Mundo), atleta do FC Porto, venceu a Taça do Mundo de Bilhar às 3 tabelas, frente ao Belga Roland Forthomme (número 22 do Mundo), por 40 x 39.

quinta-feira, 18 de Setembro de 2014

Que enorme batida!

Brahimi. Este é o nome que vai andar na boca dos adeptos do FC Porto e por toda a Europa nos próximos dias. O internacional Argelino assume-se como uma das melhores contratações da renovada equipa dos Dragões e na sua estreia na fase de grupos da Liga dos Campeões apontou um hat-trick frente ao BATE Borisov. Quando saiu aos 59 minutos para dar lugar a Evandro, foi enorme (e merecida!) a salva de palmas que recebeu. O Dragão está rendido a Brahimi.
Mas comecemos pelo início. À imagem do que tem feito em quase todos os jogos, Julen Lopetegui decidiu mexer na equipa para a recepção ao BATE Borisov, primeiro adversário do FC Porto na fase de grupos da Liga dos Campeões. Além do esperado regresso de Alex Sandro ao lado esquerdo da defesa, o treinador Espanhol apostou ainda na titularidade de Ricardo Quaresma e Adrián López para o encontro com os Bielorrussos.
A actuar claramente num 4x2x4 em vez do habitual 4x3x3, com Casemiro e Hector Herrera no meio, Quaresma e Brahimi nas alas e Adrián López a jogar ao lado de Jackson Martínez, o FC Porto esteve longe de convencer colectivamente e ao fim da primeira parte, apesar do 3 x 0 no marcador, a qualidade individual estava claramente a sobrepor-se ao colectivo.
A aposta num esquema táctico diferente que obrigava a movimentos distintos dos habituais dentro das quatro linhas justifica em parte o apagado desempenho colectivo, mas nem assim os Azuis e Brancos deixaram de conquistar uma vitória fácil que estava praticamente garantida ao fim de 45 minutos e que tinha a tal figura em destaque: Brahimi.
Aos cinco minutos, o Argelino aproveitou uma má reposição do guarda-redes Sergey Chernik e teve a frieza necessária para inaugurar o marcador. Com um golo praticamente caído do céu, o FC Porto chegou à vantagem e para a manter valeu uma excelente intervenção de Fabiano, naquele que foi o seu grande contributo para os Dragões iniciarem a campanha na Liga dos Campeões com o pé direito. Na verdade, foi a única vez que o frágil BATE Borisov teve possibilidade de fazer mossa no Dragão.
A partir daqui importa apenas explicar o que aconteceu no meio campo ofensivo do FC Porto e o que aconteceu pouco depois é...inexplicável. Uma obra de arte de Brahimi, que inventou sozinho uma jogada e ampliou a vantagem do FC Porto para 2 x 0, naquele que deverá ser um dos melhores golos desta edição da Liga dos Campeões. O jogo estava resolvido e mais ficou aos 37 minutos, cinco minutos depois da obra prima de Brahimi, com um cabeceamento certeiro de Jackson Martínez.
À entrada para a segunda parte restava apenas uma dúvida. Ia a equipa de Lopetegui abrandar ou aumentar a distância no marcador? A resposta correcta era, sem surpresa, a segunda. Brahimi confirmou o hat-trick de livre directo, saiu pouco depois para os aplausos, mas nem assim o Dragão deixou de festejar, pois Adrián López, que até tinha estado apagado na primeira parte, assinou o 5 x 0 e confirmou a maior vitória de sempre do FC Porto em casa desde que há fase de grupos da Liga dos Campeões. Mas ainda havia tempo para mais um, com Aboubakar, que entrou para o lugar de Jackson Martínez, a estrear-se nas competições europeias com um golo.
O Dragão «cuspiu fogo» na primeira vez que teve que mostrar a sua capacidade de reacção após um resultado negativo (empate em Guimarães) e com isso os adeptos Azuis e Brancos viveram uma noite de glória europeia que há muito não viviam e que deixa perspectivas animadoras para os próximos compromissos. 

Retirado de zerozero 

Melhor em Campo: Brahimi

quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

“Bater” com força

Arrancou a Fase de Grupos da Liga dos Campeões. O Futebol Clube do Porto consta nesta edição como sendo um dos seus “Clientes” habituais, se bem que desta vez foi preciso passar um play-off para lá chegar. Mas uma vez nesta fase, o que interessa agora é ir o mais longe possível porque não estamos a falar de um Clube que vá á maior Competição de Clubes da Europa de vez em quando.
 
Espera-se portanto que o Dragão tenha uma caminhada digna do seu elevado prestígio internacional e como tal não há nada como arrancar com uma vitória em casa. Para além disto é mais que certo e sabido que nesta fase da competição ganhar os jogos em casa é meio caminho andando para a fase a eliminar.
 
Quis o sorteio que os Dragões tenham de medir forças com uma equipa da distante e orgulhosa Bielorrússia que dá pelo nome de Futbolniy Klub Borisov Works of Automobile and Tractor Electronic Equipment, mais conhecido por BATE Borisov.
 
Ora o BATE não é nenhum estreante nestas andanças europeias. Os palcos da Champions não são estranhos a esta equipa do Leste Europeu apesar de não ter ido muito longe. Salvo erro o BATE Borisov nunca passou da Fase de Grupos da Liga dos Campeões.
 
Temos assim que os Azuis e Brancos vão medir forças com uma equipa com relativa experiência europeia composta por um Plantel de perfeitos desconhecidos sendo que quase todos (a maioria) são Bielorussos. Há, com alguma naturalidade diga-se desde já, a perigosa tentação de achar o jogo fácil e que os três pontos ficarão no dragão com maior ou menor dificuldade.

Este pensamento de facilitismo é enganador. É um facto que o FC Porto de Lopetegui vai jogar em casa e não na fria Minsk. Assim como também é verdade que o jogo se vai disputar num relvado e não num sintético. Mas se há coisa que ficou da época passada é que não se deve nunca menosprezar os adversários e encarar todos os jogos com a maior das seriedades e empenho. Pensar desde já que o jogo vai ser complicado e difícil é, sem sombra de dúvida, o melhor dos caminhos para se chegar à vitória que todos queremos e exigimos ao nosso Futebol Clube do Porto.
 
E para este complicado jogo, onde o empate de Guimarães do passado Domingo não deve constar de forma alguma, Alex Sandro e Adrián são as novidades da Lista de Convocados do FC Porto, para a recepção (19h45) ao BATE Borisov, da primeira jornada do Grupo H da UEFA Champions League. 
 
Em relação ao último encontro, frente ao Vitória de Guimarães, José Ángel e Ricardo saem da lista elaborada por Julen Lopetegui.
 
Lista de 18 convocados: Fabiano e Andrés Fernández (g.r.); Danilo, Martins Indi, Maicon, Marcano, Casemiro, Quaresma, Brahimi, Jackson Martínez, Quintero, Tello, Evandro, Herrera, Adrián López, Alex Sandro, Rúben Neves e Aboubakar.
 
Onze provável (4x3x3): Fabiano, Danilo, Maicon, Martins Indi, Alex Sandro, Rúben Neves, Herrera, Brahimi, Tello, Quaresma e Jackson.
 
Vamos tentar disponibilizar alguns streams para que possam seguir esta partida em directo. Passem pelo Blog perto da hora do jogo.

terça-feira, 16 de Setembro de 2014

O Fundo do Benfica que não era do Benfica

A maioria das pessoas que não se interessam por estas minudências pensava que o agora, em vias de extinção, Benfica Star’s Fund era propriedade do Benfica a que “investidores” se associavam. Não era, é ao contrário. Trata-se sim de uma Sociedade de Investimento anónima gerida por uma societária do BES, mais precisamente a ESAF com o capital inicial de 40M€, na qual o Benfica, Sad investiu 15%. O termo desta Sociedade fundada em 30 Setembro de 2009 estava previsto desde essa data para 30 de Setembro de 2014.
 
O Fundo era uma forma da Benfica, SAD se financiar. Quando precisava de dinheiro colocava lá jogadores, e o Fundo adiantava-lhe um valor (20%/25%/40% etc. da avaliação) a deduzir em eventuais vendas. Bastará ler o Regulamento do Fundo para se perceber quem geria, e quem mandava (Art.º 2º). Interessante o número 5 deste Artigo: “A Entidade Gestora no exercício das suas funções age de forma independente no exclusivo interesse dos participantes”.
 Tiveram a sorte de alguns jogadores serem entretanto muito bem vendidos, graças à ajuda “desinteressada” de Jorge Mendes. Recordemos alguns: Di Maria, Coentrão, Ramires, David Luiz, Witsel, Javi Garcia, Matic, André Gomes, Rodrigo, etc.
 
A Entidade responsável pela colocação das unidades de participação do Fundo junto dos investidores estava subdividida entre Entidade Gestora e o Depositário (ambos sob gestão da ESAF) que guardava a maçaroca proveniente das vendas. Os eventuais lucros só serão distribuídos pelos participantes aquando do encerramento do Fundo.
 
O Comité de Investimento (Artº 6º) “é assegurado pela Entidade Gestora” composto “por dois elementos ligados ao mundo do futebol, idóneos, e reconhecidos internacionalmente, que não sejam agentes de jogadores de futebol e não tenham qualquer vínculo laboral ou equiparado com a Benfica, SAD.”
 
Mais ainda: No Ponto 2 do art.º 6º - Compete ao Comité: “tomar decisões”; “avaliar os termos de aquisição e alienação”; “deliberar matérias de particular interesse para o Fundo, quanto a projetos destinados à valorização dos ativos”; “deliberar sobre potenciais imparidades” (caso Garay), etc. ou seja, a Benfica, SAD ao contrário do que dizia o aldrabão do Dia Seguinte, não pregava prego nem estopa. Nem sequer tinha voto na matéria.
 
Por estas e outras habilidades, é que a UEFA não quer que este tipo de Fundos participem nas transações dos ativos das sociedades desportivas. Basta ver que podem levar à combinação de resultados. É bom de ver que um Fundo que possua atletas de vários clubes que se venham a defrontar poderia manipular a presença ou não dos “seus ativos” em qualquer jogo. Uma situação parecida com os empréstimos de jogadores a outros clubes que mais tarde “são impedidos de jogar contra os emprestadores” e por-aí-fora.
 
A Entidade Gestora é que escolhe os atletas que fazem parte do fundo e sobre os quais adianta percentagens da avaliação. Devem ser “o mais fresquinhos possível, com idades entre os 16 e 25 anos, e capacidade de integrar a primeira equipa”, isco apetitoso para os compradores. Mais ainda: é a Entidade que fixa a percentagem que adianta à SAD, e naturalmente decide o preço para as propostas que aparecerem. Se a Benfica,SAD quiser, ela própria, mais tarde ficar com um atleta, basta só superar a oferta do eventual comprador. Uma verdadeira chantagem.
 
No Artigo 28º Liquidação do Fundo estão previstas (Ponto 8) as condições para os atletas que “sobrarem”. Ou o Benfica, Sad os adquiria pelo valor em que foram avaliados ou o Fundo os pode vender pelo valor que quiser. Na ausência de qualquer proposta concreta, entrega-os aos Investidores na proporção da participação de cada um.
 
As continhas deste Fundo da ESAF aparecerão lá para Dezembro, mas mesmo feitas em cima de um guardanapo na mesa do café devem ficar “ela-por-ela”. Ou seja: os Investidores, dos quais, repito, a Benfica, Sad tem apenas 15% nem perdem nem ganham. A única vantagem era a entrada na SAD falida de dinheiro fresco sempre que precisava. E não era forçoso o Fundo acabar na data prevista como diz o papagaio/recadeiro do Benfica que envergonha a “instituição” no programa DIA SEGUINTE. Poderia ser prorrogado se houvesses vontade das partes.
CLICAR PARA AMPLIAR
 
A anedota do dia foi o aldrabão ter dito que a compra “demonstrava o bom momento económico do Benfica”. Traduzindo para futebolês significa que como resolveram gastar cerca de 27M€ nos restos que sobraram de jogadores invendáveis (à exceção de Gáitan), lá vamos ter em Dezembro mais um Empréstimo Obrigacionista para empurrar mais para a frente os que se vencem por essa data.
 
Até à próxima

segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

Dois pontos perdidos em Guimarães

Mais bola, mais oportunidades para os Dragões, mas o mesmo número de golos. Num desafio de entrega máxima, os Vitorianos foram os primeiros a travar o FC Porto de Julen Lopetegui. Os orçamentos são diferentes, a qualidade também, só que a entrega foi ao limite, por parte das duas equipas, num desafio onde Paulo Baptista foi muito contestado. O Campeonato tem agora quatro líderes.
Com desenhos muito próximos daquilo que se perspectivava, a grande novidade confirmou-se do lado Portista. 10 eram quase certos, faltava perceber quem seria o 11º jogador. Não foi Quaresma, nem Evandro. Quintero foi a escolha inicial, para dar virtuosismo à extrema direita. Do outro lado ficava Brahimi, que tinha pela frente o estreante Bruno Gaspar, que aproveitou a lesão de Pedro Correia e o castigo de Nii Plange.
O arranque de jogo teve, logo no primeiro minuto, uma oportunidade para Brahimi. Totalmente enganador, para o filme dos minutos seguintes. Os Dragões entraram sem grande segurança na condução de bola na zona intermédia, também porque se verificava alguma intranquilidade logo na saída defensiva.
É que os Vimaranenses entraram sem medo dos Portistas e com intenção de pressionar o adversário. Perante as dificuldades em contornarem esse aspecto, os Portistas eram obrigados a recorrentes faltas para travarem os contra-ataques Vimaranenses logo à nascença.
Opção inteligente e que não permitia a André André pautar de forma fluida as transições. Ainda assim, a alma inicial dos homens de Guimarães era enorme, alimentada pelos adeptos, desejosos de dar sequência ao excelente arranque da equipa. Só que, em boa verdade, quase todos os ataques terminavam em precipitação. Bernardo, Tomané e Caiado foram exemplo disso, nos remates que tentaram em alturas onde o desenvolvimento do ataque ainda se processava.
O tempo passava e continuava a não ser na construção continuada que os Portistas faziam a diferença. Lentos quando o tentavam, os médios Azuis e Brancos eram facilmente anulados pelos adversários, pelo que não foi de estranhar que a grande oportunidade tenha surgido em velocidade, numa bola longa que Jackson Martínez penteou para a corrida de Brahimi, que foi débil na cara de Douglas.
Depois da pausa forçada, esperava-se um ritmo mais lento até intervalo, o que aconteceu, com os Portistas a terminarem por cima. Foi nesse período que apareceu o melhor José Ángel. Para além das garantias que apresenta a defender, o Espanhol é também muito certeiro quando ataca, com critério, visão e precisão no cruzamento. Os colegas não aproveitaram.
Face a uma entrada novamente enérgica dos Vitorianos, Julen Lopetegui demorou pouco a fazer a substituição que já tinha resultado em casa, frente ao Moreirense. Rúben Neves, outra vez com pouca intensidade na condução, cedeu lugar a Evandro, para que o Brasileiro disciplinasse o meio-campo.
E foi outra vez na base da velocidade que o FC Porto desequilibrou, desta vez com efeitos práticos. Brahimi, sempre ele, fugiu na esquerda, passou por Bruno Gaspar e foi carregado pelo lateral. Penálti que Jackson Martínez, em dia de jogo 100, se encarregou de converter.
A vantagem fazia adivinhar que os Portistas passassem a ter bola com mais segurança e qualidade, até porque a segurança defensiva continuava a acontecer, muito porque Maicon demonstra estar com a sua melhor face, após épocas relegado para segundo plano.
Ainda assim, o golo Vitoriano foi o momento que se seguiu, numa imprudência do mesmo Jackson Martínez na área, tal como numa abordagem matreira de André André. Bernard foi o primeiro a marcar aos Portistas esta época e a igualdade voltava a verificar-se no marcador.
Tello já estava em campo, mas continuava a ser Brahimi o homem que mais desequilibrava. Perante um Bruno Gaspar muito interessante a atacar, mas pouco disciplinado a defender, o Argelino explorou ao máximo aquele lado e só a bandeirola levantada, duas vezes, é que foi travado na sua correria rumo ao sucesso.
Rui Vitória refrescava a frente e reforçava o meio-campo, Lopetegui tardava muito a meter Aboubakar. As melhores oportunidades continuariam a ser dos forasteiros, só que Jackson Martínez mostrou que não é 100% eficaz. Muito por isso, os pontos foram repartidos. 

Retirado de zerozero 

Melhor em Campo: Maicon

domingo, 14 de Setembro de 2014

O duro teste de Guimarães

Passado que está o descalabro da Selecção Nacional (só não contava com ele quem não queria ver, mas isto são outros quinhentos), eis que regressam as emoções do nosso Campeonato com os Dragões a terem de realizar uma complicada deslocação à terra de Afonso Henriques.
 
As deslocações a Guimarães são, por norma, sempre complicadas, mas esta Temporada em especial parece que os Vimaranenses de Rui Vitória estão a formar uma bela equipa com Jogadores poucos conhecidos mas de qualidade superior, o que torna a visita à Cidade Berço muito mais complicada.
 
Actualmente o Vitória Sport Clube popularmente conhecido como Vitória de Guimarães, encontra-se no terceiro lugar da tabela classificativa da Liga Zon Sagres, fruto de três vitórias nos três jogos já disputados até à data. A título de curiosidade diga-se que uma destas vitórias foi ante o Belenenses no Restelo, tendo a equipa Minhota jogado com dez e vencido a equipa da casa que acabou de “roubar” pontos ao Sporting em Alvalade. Um feito de uma equipa com Jogadores oriundos das Divisões Secundárias do nosso futebol e que é bem elucidativo daquilo que uma equipa moralizada e bem orientada pode fazer.
 
O FC Porto de Lopetegui terá de ter muita atenção aos seguintes Jogadores dos Vitorianos de Guimarães: Defendi que é um central com faro para o golo nos lances de bola parada, André André que é um médio muito trabalhador que parece nunca se cansar, Bernard Mensah que é um médio com um tremendo faro para o golo e o surpreendente Tomané que tem marcado muitos e bonitos golos.
 
Apesar de tudo será muito importante uma vitória Azul e Branca nesta partida para dar ainda mais moral aos comandados do Basco para calar certos críticos e porque na próxima Quarta-feira arranca mais uma odisseia Europeia e todos sabemos como é fundamental que os Dragões consigam chegar muito longe na Liga dos Campeões.
 
​E neste sentido as chamadas de Aboubakar, em estreia absoluta, e Tello, totalmente recuperado, são as novidades na Lista de Convocados elaborada por Julen Lopetegui para a deslocação a Guimarães, agendada para este hoje, às 17H, no Estádio D. Afonso Henriques, a contar para a quarta jornada da Liga. Comparativamente à convocatória para a recepção ao Moreirense (3 x 0), saem dos eleitos Óliver Torres e Adrián López.
 
Lista de 18 convocados: Fabiano e Andrés Fernández (g.r.); Danilo, Martins Indi, Maicon, Marcano, Casemiro, Quaresma, Brahimi, Jackson Martínez, Quintero, Tello, José Ángel, Evandro, Herrera, Ricardo, Rúben Neves e Aboubakar.
 
Onze provável (4x3x3): Fabiano, Danilo, Maicon, Martins Indi, José Ángel, Rúben Neves, Casemiro, Herrera, Tello, Quaresma e Jackson.
 
Vamos tentar disponibilizar alguns streams para que possam seguir esta partida em directo. Passem pelo Blog perto da hora do jogo.