sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

Contas da Sad Péssimas

Nada que não se estivesse à espera. Para quem anda minimamente atento aos problemas internos do Clube/Sad, desde que foi conhecido o resultado do 3º Trimestre publicado há meses, bastava somar e subtrair umas parcelas que o resultado era este. As causas são muito fáceis de entender e vem razoavelmente explicadas no comunicado da SAD enviado à CMVM.

Contudo importa referir que o primeiro motivo para o maior prejuízo de sempre se deve às poucas transferências (vendas de passes) de atletas a que estávamos habituados em anos anteriores. Apresentando apenas os valores das rubricas que estamos mais habituados a analisar vejamos os números das 10 últimas temporadas.
CLICAR PARA AMPLIAR

De salientar que entre os anos 2007 e 2011 poderemos considerar os resultados como “equilibrados”. Na época 2011/2012 começou o descalabro, tivemos o maior prejuízo até então. Felizmente conseguimos recuperar no ano seguinte mas na última época que terminou em 30 de Junho, o resultado foi desastroso.

Bem pode o Dr. Fernando Gomes recordar-nos que ainda faltam receber umas verbas das vendas dos passes de Mangala e Defour e o prémio de presença na Champions. Sabemos que vamos iniciar a próxima época com algum saldo positivo mas o mesmo se poderia dizer desta última que também começou com Proveitos que já vinham de trás.

Prevendo isso, a administração, como foi amplamente divulgado nos blogues de referência da Bluegosfera, promoveu uma troca de participações entre o Clube e a SAD de forma a cumprir os pressupostos do Fair-play Financeiro que começam a ser aplicados.

Entre outras normas, e de uma forma genérica, um Clube e/ou Sad não poderá ter nos 3 exercícios que antecedem a fiscalização da UEFA prejuízos de mais de 5M€/ano, a começar já no triénio 2011 a 2014. O "fair play financeiro” começou em 2011. Desde então, os clubes que se qualificam para as competições da UEFA têm de provar que não tem dívidas em atraso em relação a outros clubes, jogadores, segurança social e fisco.

A partir da época 2013/14, os clubes também têm de respeitar uma gestão equilibrada em "break-even", que por princípio significa que não gastam mais do que ganham. A UEFA criou o Comité de Controlo Financeiro dos Clubes da UEFA (CFCB) para analisar as contas dos clubes dos últimos dois anos e que, a partir da presente época 2014/2015, vai passar a fiscalisar as contas consolidadas dos últimos três anos. Quer dizer portanto (e chamo a atenção para os gráficos que preparei) que se não fosse feita a reestruturação da SAD ficávamos em sérios riscos de sermos advertidos com vista à presença nas próximas competições europeias. Não que fossemos impedidos de participar nas provas mas ficávamos “com o cadastro sujo”.
Em termos rigorosos, os clubes podem gastar até mais 5 milhões de euros do que ganham por período de avaliação (três anos). No entanto, podem exceder este limite até um certo nível, se ele estiver inteiramente coberto por uma contribuição/pagamento por parte dos donos do clube ou entidade envolvida, normalmente os acionistas. Foi isso que aconteceu. O acionista principal da SAD (o FCP) está a colocar as Contas da SAD em números positivos.

Partindo do princípio que os nossos Custos correntes são quase sempre maiores do que os Proveitos, o que acontece? O Passivo sobe e os Capitais Próprios descem. Repare-se que neste último ano tivemos de Custos Operacionais 95,2M€ e de Proveitos Operacionais apenas 72,6M€. O máximo que se tem conseguido é manter o equilíbrio. Faltará depois, como é óbvio, esperar que apareça o milagre das mais-valias nas transações com jogadores, uma das formas de reduzir o Passivo, coisa que cada vez está mais difícil de atingir. Basta reparar nas Sociedades Desportivas que estão em falência técnica (por ex. os 2 circos da Segunda Circular) e aquelas que ainda continuam dependuradas no que resta dos apoios da Banca (por ex. Boavista).

O que me preocupa é que o problema de base está a tornar-se crónico. A SAD foi uma Sociedade criada para gerir o futebol do Clube, mas mais parece um armazém de compra e venda de jogadores. Por isso na Demonstração de Resultados Consolidados os Proveitos e Custos Operacionais estão separados dos “Proveitos e Custos com passes”. E esta época com um plantel de jogadores emprestados ou passes participados por Fundos de Investimento, mesmo que se afirmem como potenciais vendas, para a SAD só ficam uns trocos como aconteceu este ano. Reparem no quadro acima. Em 2011/2012, o nosso plantel “valia” quase 100M€ e esta época já só vale 61,5M€. Isto, bem entendido, se houver alguém interessado.

ULTIMA HORA

O embaixador da China em Portugal, Huang Songfu, disse hoje em visita ao nosso Museu que o tempo dirá se o investimento chinês é bom para Portugal ou não, o qual, especificou, surgiu como convite do “povo português”, trazendo benefícios para ambos os países.

Sobre as áreas em que o investimento daquele país ainda se pode desenvolver, o embaixador da República Popular da China realçou que “não tem limite”. Da sua parte, o presidente do FC Porto, Jorge Nuno Pinto da Costa, afirmou que o clube já está em contacto com a Federação Chinesa de Futebol. Depois do Museu by BMG que tal “Dragon China Stadium”?

Até à próxima

quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

O Cantinho das Modalidades

Hóquei em Patins
 
O FC Porto Fidelidade venceu o Valdagno, por 6 x 2, em encontro da jornada inaugural do grupo D da Liga Europeia. Os Dragões até começaram a perder, mas um autêntico vendaval ofensivo colocou-os no caminho certo (ao intervalo, já venciam por 3 x 1). Caio (2), Jorge Silva, Rafa, Pedro Moreira e Vítor Hugo foram os marcadores de serviço numa partida em que se destacou a exibição de Nélson Filipe e os regressos à competição de Edo Bosch, Jorge Silva e Reinaldo Ventura (os dois últimos já cumpriram castigo, enquanto o guarda-redes ainda tem vários jogos para cumprir nas competições nacionais).
 
Com esta vitória, os Dragões começam da melhor forma a campanha na Liga Europeia e alcançam a segunda vitória consecutiva sobre os Italianos em casa, após o 9-7 de 2012/13, na meia-final da final four disputada no Dragão Caixa.
 
Basquetebol
 
O Dragon Force conquistou o Troféu António Pratas – Proliga, após bater o Esgueira por concludentes 97 x 41, no Pavilhão “Os Marialvas”, em Cantanhede. Depois de bater o Atlético na véspera (72 x 60), os Portistas completaram um fim-de-semana perfeito, arrecadando uma Competição que lhes fugira no jogo da decisão em 2013/14, frente ao Eléctrico.
 
A equipa comandada por Moncho López alinhou e pontuou da seguinte forma: Diogo Brito (12), João Ribeiro (7), André Bessa (11), João Grosso (11), Miguel Queiroz (10), Pedro Figueiredo (7), João Gallina (3), Ferrán Ventura (13), Pedro Bastos (3), João Fernandes (5), João Torrie (4) e António Monteiro (11).
 
Andebol
 
O sorteio da terceira eliminatória de qualificação para a fase de grupos da Taça EHF colocou o Ademar León (Espanha) no caminho do FC Porto. O jogo da primeira mão está agendado para 22 ou 23 de Novembro, no Dragão Caixa, sendo que a segunda mão está prevista para 29 ou 30 de Novembro, no Palacio Municipal de los Deportes, em León.
 
O Ademar León ocupa o sexto lugar da Liga ASOBAL, com oito pontos em sete jogos, resultado de três vitórias, dois empates e duas derrotas. Na temporada passada terminou a principal competição Espanhola em quinto lugar, com 16 vitórias, quatro empates e dez derrotas. Refira-se ainda que, em 2013/14, o adversário do FC Porto qualificou-se para a fase de grupos da Taça EHF, tendo ficado em segundo lugar do grupo A.
 
Ainda no Andebol Portista há que dizer que ​Alfredo Quintana, ​Ricardo Moreira, Gilberto Duarte e Nuno Roque integram a lista de convocados da selecção Portuguesa de Andebol para os dois primeiros jogos de qualificação para o Campeonato da Europa de 2016, frente à Hungria (29/10, 20h30, em Miskolc) e Rússia (02/11, 16H, no Pavilhão Municipal de Vila Nova de Gaia).

quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

Uma sorte chamada Quaresma

Pedia-se reacção ao FC Porto após a primeira derrota da Temporada e a consequente eliminação da Taça de Portugal aos pés do Sporting e na verdade os Azuis e Brancos foram capazes de voltar a fazer sorrir as bancadas do Dragão com uma vitória sobre o Athletic Bilbao, que os coloca em boa posição para garantir o apuramento para os oitavos de final da Liga dos Campeões.
 
Em relação à partida com os Leões disputada três dias antes, Julen Lopetegui fez regressar quatro jogadores ao onze inicial (Fabiano, Bruno Martins Indi, Alex Sandro e Brahimi). A entrada do internacional Argelino para o lado esquerdo do ataque deu mais velocidade e imprevisibilidade ao sector ofensivo dos Dragões, mas foi precisamente pelo outro lado que a diferença foi feita na primeira parte.
 
Cristian Tello exibiu-se a grande nível durante os primeiros 45 minutos e foi através dos seus pés, após boas jogadas individuais, que o FC Porto chegou com mais perigo à área. No entanto, ao contrário do que é costume, Jackson Martínez, mais lento do que o habitual, não foi o parceiro ideal no ataque, o que atrasou a chegada dos Dragões ao golo. Ainda assim, o meio campo Azul e Branco funcionou bem, mais concretamente a dupla formada por Herrera e Juan Quintero, o que ajudou o FC Porto a dominar quase toda a primeira parte, chegando ao golo apenas nos instantes finais por intermédio do internacional Mexicano, que apareceu nas costas da defesa Basca para concretizar da melhor forma uma assistência de Quintero.
 
A excepção no meio campo dos da casa foi Casemiro. O médio Brasileiro, que jogou na posição mais recuada, não é um 6 e está longe de o ser. Mostrou-o contra o Sporting e voltou a prová-lo diante do Athletic Bilbao. A qualidade que lhe é reconhecida na posição 8, a sua de origem, não existe quando pisa terrenos mais recuados. Os passes saem na maior parte dos casos errados, a maioria das entradas são feitas fora de tempo e é bastante permissivo na marcação. Foi por isso que ainda na primeira parte o Athletic Bilbao esteve bastante perto de marcar primeiro que o FC Porto, quando San José teve todo o espaço do mundo para rematar de longe e viu a bola bater no poste.
 
Ernesto Valverde, Treinador do Athletic Bilbao, percebeu o desconforto de Casemiro na posição que ocupava e por isso ao intervalo decidiu explorar essa situação. O Técnico Espanhol, com uma dupla alteração, colocou Beñat e Iker Muniain e aposta foi ganha. Os dois jogadores deram uma maior força ofensiva aos Bascos e Casemiro viu-se e desejou-se para os (tentar) parar. O médio teve uma série de entradas duras que podia ter terminado com a amostragem de mais do que um cartão amarelo e, aliado a isso, a defesa dos Dragões dava sinais de intranquilidade por estar a ganhar pela margem mínima e por não estar a conseguir estancar a boa entrada no segundo tempo do adversário.
 
Porém, sem tirar qualquer mérito ao golo que o Athletic Bilbao acabou por marcar e empatar a partida aos 58 minutos, a verdade é que este aconteceu após mais um erro defensivo dos Dragões. A situação não é virgem e Guillermo Fernández, através de uma boa jogada individual, teve a capacidade de aproveitar um passe disparatado de Herrera para trás, de passar por Casemiro, entrar na área e bater Fabiano, levando ao delírio os milhares de adeptos Bascos que fizeram questão de fazer muito barulho no Dragão.
 
Os adeptos assobiavam a equipa, à imagem do que já tinham feito contra o Sporting. E a ira que mostraram para com o que a equipa (não) jogava e para com Lopetegui, aumentou quando o Treinador decidiu mexer pela primeira vez na equipa, colocando Rúben Neves no lugar de Quintero, um dos melhores em campo, quando se esperava que Casemiro que fosse sair, uma vez que nessa altura o FC Porto estava demasiado recuado no terreno, muito por culpa do facto de Herrera ter recuado para auxiliar o Brasileiro nas tarefas defensivas.
 
Colectivamente o FC Porto não estava a funcionar e o Dragão entrou em ponto de ebulição quando Lopetegui chamou Ricardo Quaresma, que estava a aquecer, ao banco. O internacional Português ia ser a próxima aposta e poucos minutos depois, mais particularmente ao minuto 75, a mexida de Lopetegui mostrou-se certeira. O número 7, com a bola nos pés, conseguiu fugir do lado esquerdo para o meio e rematou com o pé esquerdo para o fundo da baliza, num lance em que Iraizoz não ficou isento de culpas. O Dragão parecia que ia abaixo e celebrou um triunfo que foi suado, embora, uma vez mais, por culpa de mais um erro individual que podia ter custado caro.

Retirado de zerozero

Melhor em Campo: Brahimi

terça-feira, 21 de Outubro de 2014

Tão perto do Paraíso e do Inferno

Depois do descalabro que se viu no Estádio do Dragão que culminou com a eliminação precoce do Futebol Clube do Porto da Taça de Portugal, segue-se outro desafio. E este desafio também é de uma importância atroz, ou não fizessem muita falta os milhões da Champions.

Futebol é isto mesmo e quem não acompanha o seu ritmo bem que pode desistir de jogar ao mais alto nível competitivo. E este tipo de lógica aplica-se ao Futebol Clube do Porto que após uma sofrida derrota tem de se levantar e seguir em frente sob pena de ficar ainda mais prejudicado do que o que está actualmente.

Difícil não será fazer a antevisão do lado dos Portistas dado que Julen Lopetegui já disse publicamente que vai insistir no erro. Difícil, no verdadeiro sentido do termo, é tentar perceber que equipa irá o Athletic de Bilbao apresentar mais logo em pleno Estádio do Dragão. Isto porque a equipa Basca vale, toas as Temporadas, pelo seu todo só se destacando um ou outro Jogador de lés-a-lés.

Um breve olhar para a classificação do Grupo da Liga dos Campeões onde Portistas e Bascos estão inseridos, rapidamente concluímos que uma vitória Azul e Branca coloca o Dragão quase na fase seguinte da prova. Mas há que ganhar e aí é que a porca torce o rabo…

Com toda a certeza os Leões de Bilbao, a terceira equipa Espanhola com mais Títulos Nacionais curiosamente, tem um orgulho enorme e um querer que parece nunca mais acabar, pelo que será de esperar que no Dragão façam o possível e impossível para retirarem algo de positivo do jogo. E tudo isto numa altura em que o Dragão está muito fragilizado.

Prevê-se, desta forma, que o jogo de mais logo vai ser muito complicado para os Portistas. Isto a não ser que estes marquem de imediato o golo tranquilizador e não deixem que o empate se arraste ao longo dos 90 e poucos minutos. Uma entrada á Dragão e com as ideias bem esclarecidas exige-se e será, sem sombra de dúvida, o ponto fulcral para uma vitória Portista.

Olhando agora para os eleitos do Espanhol para esta importante partida, os defesas Alex Sandro e Martins Indi, o médio Evandro e o avançado Ricardo regressam à Lista de Convocados elaborada por Julen Lopetegui para a recepção ao Athletic Club, marcada parahoje, às 19h45, no Estádio do Dragão, referente à terceira jornada do Grupo H da UEFA Champions League.

Em relação à convocatória para o último jogo, saem dos eleitos do Técnico Espanhol os defesas Reyes e José Ángel, sendo a lista alargada para 20 elementos.  

Lista de 20 convocados: Fabiano e Andrés Fernández (g.r.); Danilo, Martins Indi, Maicon, Marcano, Casemiro, Quaresma, Brahimi, Jackson Martínez, Quintero, Tello, Evandro, Herrera, Adrián López, Ricardo, Alex Sandro, Óliver, Rúben Neves e Aboubakar. 

Onze provável (4x3x3): Fabiano, Danilo, Maicon, Martins Indi, Alex Sandro, Rúben Neves, Herrera, Brahimi, Quaresma, Tello e Jackson.

Vamos tentar disponibilizar alguns streams para que possam seguir esta partida em directo. Passem pelo Blog perto da hora do jogo.

segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

Pensamento da Semana: Fazer omeletes sem ovos

O sinal de alarme terá soado no Reino do Dragão. A derrota caseira ante o Sporting Clube de Portugal por 3 bolas a 1, se não colocou a SAD/Clube, Treinador e Jogadores em sentido terá, de certeza, colocado muita gente em sobressalto.
 
Ao contrário de certos comentadores, públicos e anónimos, que de uma forma arrogante e depreciativa vinham “batendo” em Lopetegui jogo sim, jogo sim, sempre quis dar tempo ao tempo mas mantinha, e mantenho, a minha ideia de isto do tiki taka é algo de exclusivo do FC Barcelona de Pep Guardiola.
 
Já nem o actual Barcelona de Luís Enrique aposta cegamente neste modelo de jogo. Alias, nem o seu criador aposta no dito porque quando sentiu que os pilares do seu modelo de posse caminhavam para o declínio natural que a idade provoca no Ser Humano, resolveu fazer as malas e partir para Munique onde já pagou um preço elevado por ter voltado a apostar no tiki taka.
 
Tiki taka funciona na perfeição quando, por uma combinação cósmica do destino, conseguimos colocar em campo Atletas que se conhecem desde os escalões de formação como sucedeu com Messi, Iniesta, Xavi, Busquets, Puyol, Cesc, Piqué, Pedro e outros que fizeram do Barcelona de Guardiola uma máquina de jogar futebol. Quem não tiver esta fortuna do seu lado não deve, nunca, apostar nisto do tiki taka.
 
Podemos, e bem, afirmar que este modelo de jogo funcionou recentemente com a Alemanha Campeã do Mundo. Mas há que perceber que tudo se desenrolou num determinado contexto climático que exigia um futebol pausado e eficaz. E a prova de tal é que esta mesma Campeã do Mundo perde jogos oficiais com a Polónia, empata em casa com a República da irlanda e está agora num nada normal 4.º lugar do seu Grupo de Apuramento para o EURO 2016.
 
Isto para dizer que a SAD Portista apostou numa mudança radical de mentalidade e estilo para a sua equipa de futebol, mas esta aposta está a revelar-se desadequada e poderá vir a ser fatal para as naturais aspirações do Futebol Clube do Porto.
 
O Basco Lopetegui já demonstrou, por mais que uma vez, que é um fanático do tiki taka e que quer implementar tal sistema/modelo à força ao actual Plantel do FC Porto mesmo sabendo que a maioria dos Atletas chegaram esta época à Invicta. Alias, a tão debatida e contestada questão da rotatividade prende-se com esta obsessão do Basco.
 
Como tal espero sinceramente que Julen perceba de uma vez por todas que é de todo impossível fazer-se omeletes sem ovos. E espero, também, que não seja nunca preciso que a SAD tenha de perceber tal pelo Espanhol, para que não suceda o mesmo que sucedeu com Paulo Fonseca em tempos não muito distantes.

domingo, 19 de Outubro de 2014

Nada!

O Sporting está na próxima ronda da Taça de Portugal, depois de vencer o FC Porto por 3 x 1 no Estádio do Dragão. Erros defensivos dos Portistas ditam a eliminação da prova Rainha do Futebol Português. Marcano, na própria baliza, Nani e Carrillo marcaram os tentos dos Leões. Jackson fez o golo dos Portistas e falhou um penálti.
Ainda havia pessoas a sentarem-se nas bancadas bem compostas do Estádio do Dragão e já o Sporting ameaçava: Nani rematou cruzado e acertou no poste direito da baliza guardada por Andrés Fernández. Era ainda impercetível a táctica das duas equipas mas cumpria-se o que Marco Silva havia assumido na projecção da partida: entrar forte e tentar surpreender o FC Porto.
À semelhança do que aconteceu em Alvalade há poucas semanas, para o Campeonato, o jogo começou de forma intensa, mas com ameaças dos dois lados, ainda que o futebol apresentado pelos Leões fosse mais consistente, com os vários sectores a funcionarem melhor do que os dos Portistas.
Quintero, aposta inicial de Lopetegui, demorava a entrar no jogo e o meio-campo dos Azuis e Brancos ressentia-se perante a pouca assertividade do Colombiano na direita do ataque, apresentando dificuldades a segurar a bola, que os dragões tanto gostam de ter. Isto, provavelmente, por não jogar no meio, onde é melhor e, também, por Herrera estar uns furos abaixo do esperado.
No ataque, Adrián López não conseguia desenvencilhar-se das marcações e falhava no papel de coadjuvante de Jackson Martínez. Lopetegui pedia mais jogo exterior, pelas alas, mas o Sporting surgia bem nos processos defensivos, abdicando do ataque nos momentos de transição e apenas deixando Montero mais adiantado no terreno.
Nani tinha liberdade em campo e movimentava-se a seu bel prazer, e os portistas deixavam o internacional português jogar e fazer jogar, entendendo-se quase sempre bem com João Mário. 
Apesar de surgir com alguma superioridade, o FC Porto foi cometendo erros atrás de erros do meio-campo, inclusive, para trás, e os Leões aproveitaram bem. Primeiro Marcano, num amor com amor se paga, marcando na própria baliza, numa espécie de retribuição ao auto-golo marcado por Naby Sarr em Alvalade e que deu o empate aos Dragões.
O golo teve o condão de despertar os Portistas, sobretudo Quintero, que fez um passe magistral para o golo de classe de Jackson Martínez, quatro minutos depois de os Leões se terem colocado em vantagem.
Para lá do futebol jogado, das tácticas e estratégias várias, havia um lado psicológico no jogo que pesava a favor dos Leões: os níveis de confiança dos Azuis e Brancos, com intranquilidades várias na defesa, a darem margem ao Sporting. Casemiro provou-o, ao colocar a bola à mercê de Nani para um grande golo. O Sporting saía em vantagem para o intervalo e com justiça.
A provar isto mesmo surgiu o xadrez dos treinadores ao intervalo. Marco Silva não mexeu uma pedra, o Sporting jogava bem entre linhas, aparecia nas costas dos Portistas, trocava a bola com mais do que facilidade. Lopetegui lançou Tello e Rúben Neves, sacrificando Óliver Torres e Casemiro. A velocidade no ataque mudou e logo depois os Portistas, graças a Jackson, ganham uma grande penalidade que o próprio Colombiano falha.
Mais do mesmo, Marco Silva refrescava o ataque, trocando Montero por Slimani e Capel por Carrillo, e a toada continuava, com os Dragões melhores mas inconsequentes. Lopetegui jogou a última cartada com Brahimi, já o Dragão o pedia há muito, e a assobiadela para Adrián López, quando o Espanhol saiu das quatro linhas, provou que a sua titularidade foi uma aposta errada.
Já a fechar, tudo tão fácil: FC Porto a ver jogar, Maicon a marcar ao de leve e Carrillo a fazer o terceiro, fechando as contas. Como uma mola, e a 7 minutos dos 90, muitos adeptos Portistas abandonaram o Estádio, descontentes com a prestação da equipa. Chegaram a haver lenços brancos nas bancadas.
No segundo round entre Leões e Dragões esta temporada, volta a levar a melhor Marco Silva e o seu Sporting, com pragmatismo, união e muita concentração. Ganhou quem falhou menos, já que o equilíbrio foi bastante evidente, apesar dos dois golos de diferença. 

Retirado de zerozero 

Melhor em Campo: Jackson Martinez