quinta-feira, 24 de Abril de 2014

Pontos nos ii

Este ano estava tudo preparado. Do nosso lado, e com o pontapé de Kelvin que bateu Artur, o nosso Clube arrancava descansado para outro Tetra, o destino lógico. Tudo se desmoronou, uma catástrofe no mínimo. Agora é puxar pela cabeça e arranjar outro treinador.
Do lado da “instituição” o sonho era disputar a final da Champions no galinheiro. Tudo “nos conformes” com o senhor Platini e um investimento de 110 milhões de euros em jogadores. De repente, catrapus! Foi trasladado para a Liga Europa, competição menor seja lá qual for o ponto-de-vista. Felizmente para eles uns otários que este ano perderam tudo o que havia para ganhar entregaram-lhes de bandeja a oportunidade de pelo menos disputarem uma final.
 
Para já vão de certeza a Oeiras disputar a Taça de Portugal com o Rio Ave pasme-se, treinado por um nosso antigo jogador, e foi André Gomes também outro ex-atleta que nos colocou na prateleira. Infelizmente entre as centenas de jovens que passam pela formação, nem todos se podem aproveitar. Nuno Espirito Santo utilizou uma capa da BOLHA do tempo do jornalista Homero Serpa (que não tinha comparação com os atuais pasquineiros, Delgados, Guerras, Leonores e afins) para motivar os seus jogadores. E não é que resultou?
 
A “instituição” e os credores podem respirar de alívio embora apenas entrem nos cofres uns parcos milhões em relação às espectativas, mas façam lá o vosso foguetório no Marquês. Enquanto isso, nos clubes do meio da tabela, as chicotadas psicológicas sucederam-se com outro tipo de fogo-de-artifício: tochas, petardos em quantidades não habituais por m2, atirados à SAD, dirigentes, treinadores e atletas de Setúbal, Braga, e Guimarães.
 
No que ao Futebol Clube do Porto diz respeito Pinto da Costa foi eleito há 32 anos e ainda tem mais dois de mandato. Não se conhecem ainda os destinos de vários atletas. Por exemplo Fucile (quem se lembra dele?) continua a esperar sentado pelo menos até 30 de Junho. Não sendo um jogador excecional, deixa a perder de vista Danilo, um grande barrete. Iturbe, Lucho, Álvaro Pereira, Otamendi, etc. foram outros que se desaproveitaram.
Resumindo e concluindo: o Benfica é duplo campeão, e o Sporting fica em 2º lugar à nossa frente mas há 12 anos que não ganha nada. Nós que nos últimos 11 campeonatos vencemos por 9 vezes, para alguns portistas, é que somos os maus da fita!
 
Então quando se falas das maçarocas, “aqui d’el-rei que alguém meteu dinheiro ao bolso!” Engraçado ninguém referir que o clube da treta desfez-se há 3 meses de Rodrigo que tem sido “só” o seu abono de família, e a nova vedeta, o “tal” André Gomes. Fantástica gestão! Imaginem o que seria se fossem nossos jogadores… (“alguém se anda a governar blá, blá, blá.)
 
Estava eu a chegar a casa, ligo a caixinha que mudou o mundo, e lá estava ele, o pesadelo dos Domingos, o profeta, o homem que sabe tudo de tudo e como o seu amigo “nunca se engana e raramente tem dúvidas”. Com imagens em fundo de uma qualquer romaria algures em Lisboa, vomitava para a esgrouviada apresentadora “este foi o dia da ressureição do benfica”!
 
Daqui se sugere à excelentíssima administração da SAD um contacto urgente a convidá-lo para nosso treinador na próxima época. Como os anões e as mulheres com barbas, pelo menos era um sucesso de bilheteira pagar bilhete para ver o homem que um dia se atirou ao Tejo.
O prémio para a melhor frase do ano vai para António Oliveira: “o modelo de gestão desportiva do FC do Porto terá, mais cedo ou mais tarde, de passar a ter a formação dentro da equação”. Ou seja, digo eu: a Quadratura do Círculo em vez do Triângulo Invertido!
 
Até à próxima

quarta-feira, 23 de Abril de 2014

O Cantinho das Modalidades

Natação
 
O FC Porto sagrou-se, no Sábado, Hexacampeão Nacional feminino de Natação nos Campeonatos Nacionais de Clubes, que decorreram na Piscina da Póvoa do Varzim. As nadadoras Portistas dominaram por completo os dois dias da competição e terminaram a prova com 43 pontos de avanço sobre o segundo classificado.
 
Já em masculinos, o FC Porto terminou a prova como Vice-campeão Nacional, a apenas oito pontos do Sporting, num confronto que ficou decidido na última jornada. Recorde-se que, no início da competição, o FC Porto liderava em ambas as classificações.
 
Andebol
 
O FC Porto Vitalis bateu o Benfica (26 x 25), na Luz, em jogo da 5.ª jornada da fase final do Andebol 1. Gilberto Duarte foi o grande herói dos Pentacampeões Nacionais, apontando o golo do triunfo no derradeiro segundo da partida.
 
Com este triunfo, os Dragões reduziram para um ponto a diferença relativamente ao Sporting, que tem mais um jogo disputado. O conjunto comandado por Ljubomir Obradovic continua a depender de si próprio para chegar ao Hexacampeonato.
 
O FC Porto Vitalis alinhou e marcou com: Hugo Laurentino (g.r.), Gilberto Duarte (6), Wilson Davyes, Tiago Rocha (5), João Ferraz, Ricardo Moreira (3) e Mick Schubert (4). Jogaram ainda: Alfredo Quintana (g.r.), Alexis Hernández, Pedro Spínola (6), Hugo Rosário (2).
 
Basquetebol
 
O Dragon Force venceu o Terceira Basket (79 x 70), nos Açores, no primeiro jogo das meias-finais dos “Playoffs” da Proliga. Caso se repita este desfecho no segundo jogo entre as duas equipas, no Dragão Caixa, o conjunto comandado por Moncho López vai lutar pela conquista do título de Campeão.
 
Caso volte a bater o Terceira Basket no dia 26 de Abril, às 18H, no Dragão Caixa, os vencedores da Fase Regular seguem para a tão almejada Final, na qual defrontarão Illiabum ou Casino Ginásio.
 
O Dragon Force alinhou e pontuou com: Hugo Sotta, André Bessa (4 pontos), João Grosso (13), Eduardo Guimarães (3), João Gallina (2), Ferrán Ventura (21), Pedro Bastos (24), José Miranda, João Ribeiro (2), João Torrie e Miguel Queiroz (7).

terça-feira, 22 de Abril de 2014

Pobreza Franciscana

O FC Porto confirmou matematicamente o terceiro lugar e a presença no play-off de acesso à Fase de Grupos da Liga dos Campeões ao receber e vencer o Rio Ave por 2 x 0, em partida a contar para antepenúltima jornada da Liga Zon Sagres.
Com 17 509 espectadores nas bancadas do Estádio do Dragão, naquela que foi a segunda pior assistência da época, FC Porto e Rio Ave estiveram longe de proporcionar um bom espectáculo de futebol, mas o facto de já terem praticamente resolvida a situação na tabela classificativa fazia adivinhar algo do género que aconteceu.
Numa partida que teve quase sempre um ritmo baixo, os golos do FC Porto apenas surgiram na segunda parte, com Jackson Martínez a inaugurar o marcador de grande penalidade, Herrera a ampliar a vantagem e Danilo, com a ajuda de um jogador do Rio Ave, a fazer o 3 x 0 final.
Nos lances dos dois primeiros golos houve participação activa de Quintero, que jogou toda a segunda parte e voltou a reclamar mais minutos de jogo. Já o Rio Ave não merecia ter perdido por uma diferença tão grande.
O Estádio do Dragão teve pouca gente para assistir ao FC Porto x Rio Ave e a verdade é que o jogo esteve longe de ser interessante. Durante os primeiros 45 minutos, a qualidade do futebol praticado não foi bom e por isso foram poucas as vezes que as duas equipas estiveram perto de marcar.
Os Azuis e Brancos jogaram quase sempre a um ritmo baixo e o Rio Ave, depois de uma entrada atrevida em campo, acabou por encaixar no jogo do FC Porto e não fez nada para que o jogo tivesse mais vida, embora na teoria não tivesse que ser os comandados de Nuno Espírito Santo a ter essa iniciativa.
Ao longo do primeiro tempo, foram três as vezes em que o FC Porto esteve perto de inaugurar o marcador. Primeiro foi Herrera a obrigar Ederson a uma boa defesa ao rematar rasteiro e logo a seguir foi a vez de Mangala, de cabeça, a fazer com que o guarda-redes mostrasse ter bons reflexos, pois a defesa ao cabeceamento do Francês foi feita por instinto.
A última grande situação para marcar por parte dos Dragões foi da autoria de Ricardo, que rematou com força para defesa de Ederson. Pelo meio destas oportunidades do FC Porto, o Rio Ave esteve perto de facturar por intermédio de Tarantini, mas o remate do capitão de equipa saiu ao lado da baliza à guarda de Fabiano.
Ao contrário da primeira parte, o FC Porto entrou bem na segunda parte e não precisou de muito tempo para se aproximar com perigo da baliza do Rio Ave. Logo nos primeiros segundos, Danilo obrigou Ederson a uma defesa a dois tempos após um remate forte.
Os Dragões mantinham a posse de bola e, embora sempre a um ritmo baixo, tentavam levar a melhor sobre a defesa organizada do Rio Ave que, no entanto, não dava mostras de ceder. Já no ataque, os homens de Vila do Conde raramente conseguiam colocar o sector mais recuado do FC Porto em sentido, excepção feita ao minuto 58, quando Tarantini cabeceou com perigo após surgir sem marcação na área.
Porém, dois minutos depois, Marcelo teve uma entrada imprudente sobre Jackson Martínez e carregou em falta o avançado Colombiano dentro da área, quando este tentava recepcionar um passe de Quintero, que tinha entrado ao intervalo. O árbitro Nuno Almeida de pronto assinalou grande penalidade e Jackson Martínez não desperdiçou a oportunidade de inaugurar o marcador, fazendo o 1 x 0 e reforçando o estatuto de melhor marcador do Campeonato.
Quintero foi inteligente na forma como descobriu e conseguiu colocar a bola em Jackson Martínez e voltou a mostrar a excelente visão de jogo aos 72 minutos, altura em que voltou a colocar a bola pelo ar na área do Rio Ave, onde apareceu Herrera a dominar de peito e de cabeça a fazer o 2 x 0. Contudo, o resultado final de 3 x 0 apenas foi estabelecido no último lance do jogo, com Danilo de livre e com a ajuda da barreira a bater Ederson e a tornar o resultado demasiado pesado para o Rio Ave.
 
Retirado de zerozero
 
Melhor em Campo: Juan Quintero